20120707_120538-Version-2

Customizações ao Extremojulho 30, 2012


Antes de mais nada, vale dizer que o termo customizar é um neologismo e vem da palavra “custom”, do inglês que significa “personalizado”, ou “customer”, que é “cliente”. Dito isso, também vale registrar nestas tortas linhas que eu assistia compulsivamente aquele seriado enlatado “American Chopper”, onde  uns caras de uma mesma família construíram um negócio em torno de criar motos personalizadas – a OCC, ou Orange County Choppers. Sinceramente, 90% das criações que via, eu não gostava. Achava de extremo mal gosto e sem sentido estético, quase sempre era alguma empresa que pagava “os tubos” para os caras construírem uma moto com a cara da empresa (?!). Muitas vezes uma bizarrice sem igual.

Sempre que pensamos em customizações, pensamos em motos modificadas ao extremo, as também conhecidas obviamente por “Customs”. Claro que há motos mais customizáveis do que outras, e a linha entre o bom gosto e o exagero é fininha, fininha…

Bem, para tirar algumas dúvida a respeito deste, muitas vezes, estranho universo, resolvi falar com quem toma café da manhã, almoça e janta customizações, e que inclusive é o médico da minha moto, a Road King 04 Beyoncé: Claudio Bessa, meu amigo, mecânico, customizador de alta qualidade e proprietário da Garage Code, um espaço para motos e motociclistas. Durante um bate-papo de uma hora sorvendo um pingado com pão na chapa na padaria da esquina, proseamos ao redor do tema.

Roberto Severo: Que tipo de customização você faz? Alguma preferência por marcas?
Claudio Bessa: Bom, o tipo de customizacão não tem limites, vai desde pintura, instalação de acessórios, até a construção de um quadro se necessário, passando pela criação de um chassi novo para a moto. Não há nenhum tipo de limitação. Quanto à preferência por marcas, existe mesmo a preferência pela Harley Davidson por uma questão de facilidade. A Harley é feita para você customizar, desmontar e montar de outro jeito, enquanto outras marcas, uma moto japonesa, por exemplo, você já tem uma certa dificuldade de conseguir peças e acessórios e você muitas vezes tem que acabar construindo tudo. Para a Harley não, o que você quiser você encontra no mercado.

Qual o pedido mais recorrente?
O primeiro deles, que quase todo mundo que tem Harley quer, é o escapamento. Trocar o original por um com um ronco diferenciado, que dê mais performance ou só o visual mesmo. Depois vem o guidão, geralmente adaptar o tamanho do guidão para o tamanho do piloto.

Qual o pedido mais esquisito ou curioso que você já teve?
Foi a customização de uma Harley Deuce ano 2000, que tem valor de mercado entre 25 a 30 mil reais, e a pessoa pediu que fosse colocada uma turbina com um sistema de “blower” por correia, com uma roda 240 mm na traseira que, só de acessórios e equipamentos, acabou por somar quase duas vezes o valor da moto.

Estorvos, você faz? Como diz ao cliente “Amigo, depois desta plástica milionária, o seu filho vai ficar feio”?
A customização é uma coisa muito pessoal, cada um tem a sua, cada um quer fazer do seu jeito. A gente assume o papel de orientar, dizer o que fica legal e o que pode não ficar muito interessante ou de acordo com a moto. Mas se o cliente quiser fazer deste jeito a gente faz. O cliente é quem manda na moto dele. Eu oriento até por uma questão de estética, mas a palavra final é do cliente.

A customização desvaloriza a moto?
A customização tende a valorizar a moto, por que ela está agregando produtos de qualidade. Ela só vai desvalorizar quando for mexido em uma parte estrutural da moto e que seja irreversível. Geralmente todas as customizações são reversíveis. Você pode tornar a moto original novamente. Claro que na hora de comercializar uma moto customizada você vai ter um público específico. Tem sempre o cara que procura uma moto customizada, que não quer ter o trabalho de fazer, e já vai buscar uma que está pronta. Mas a maioria quer fazer a moto de acordo com o seu próprio projeto. Portanto em alguns casos, quando é feita uma customização “pesada”, é interessante você manter a moto original e ter todos os acessórios para vender separado.

H-D Deuce – Turbo

Pensei que a conversa havia terminado na padoca, mas logo na entrada da oficina do Claudio, na rua Ponta Delgada, 43, estava a Harley Davidson Deuce 2000 que ele havia comentado. Claro que não dava para resistir e a conversa continuou. Saquei a máquina fotográfica e o resto é prosa:

Como ela chegou aqui? Tanto do ponto de vista técnico, quanto da motivação do proprietário?

Ela já veio para a gente semi-customizada. O motor já estava com um kit Scream Eagle II, já tinha escapamento com “super trap” de inox, amortecedor de direção, barra estabilizadora, que já visava buscar mais performance sem mexer na parte estrutural. A motivação de colocar o turbo é que o cliente é um cara que pesquisa muito e já havia visto este kit várias vezes e ninguém ainda tinha trazido para o Brasil. Aí ele começou a fazer as cotações e quis trazer, e por conta do turbo veio todo o resto: a troca das rodas, a balança, afastar a primária para entrar um pneu 240 mm na traseira, e a pintura que foi baseada na McLaren, que é o Ghost Chrome.

Quais foram os maiores desafios nesta moto? O que levou mais tempo?
A moto ficou aproximadamente seis meses desmontada por conta de importação. O kit do turbo é um produto americano, não tem distribuidor no Brasil, necessitando de uma importação direta, entrar na fila, aguardar todo o processo na Receita Federal, até finalmente a liberação. Está não é uma peça muito fácil de trazer de fora. E as rodas também. Ainda não há um “dealer” local, então a gente levou um tempo para trazer. Mas a parte técnica da moto não foi complicada, porque o kit vem pronto. É colocar e regular no

dinamômetro. Quanto à questão estética, para-lamas e pintura, foi feita sob medida. A ciclística da moto não foi alterada. A única coisa que modificamos foi o pneu 240 atrás, e melhorar os freio, né? Porque agora ela precisa (risos).

Dados técnicos do “Dragão de Komodo” Prateado:

Espero que o proprietário da moto me entenda, sou maníaco por colocar nomes nas motos, e este (“Dragão de Komodo”) veio de uma sugestão do meu pai, velho motociclista das antigas, e tinha que dar o crédito. Seguem as informações básicas desta bela customização:

  • Marca: Harley Davidson
  • Modelo: Deuce
  • Ano: 2000
  • Escapamento: Vance Hines Outlaw
  • Rodas:  dianteira 120×21 / traseira 240×18
  • Pneus: Metzeler
  • Kit turbo: Pro Charger
  • Pintura: Ghost Chrome
  • Potência declarada: 108 cv na roda / 56 kgf de torque na roda

Fonte: BestRiders.com.br

Deixe o seu comentário

COMENTAR

Powered by Facebook Comments

Leave a Reply